funcionario-jm-empilhadeiras-linde-still-empilhadeiras

45 anos dedicados à mecânica

Aos 64 anos (45 de­les dedicados à mecâni­ca), Laércio Firmino Dias está entre os funcioná­rios mais experientes da JM Empilhadeiras e é o destaque do informati­vo deste mês.

Vida dedicada à mecânica

Laércio nasceu e mora até hoje na ci­dade de Lençóis Pau­lista. Sua história com a mecânica começou aos 18 anos, quando saiu do serviço na la­voura para iniciar as atividades de auxiliar de mecânico em uma oficina que atendia somente veículos da Volks, em Lençóis.

Sempre curioso e disposto a aprender, desenvolveu rápido suas habilidades e depois de dois anos atuou como mecânico em uma cooperativa e em 1976 foi chamado para trabalhar na Zilor (naquele tempo se cha­mava Usina Zilo Loren­zetti).

Laércio lembra que aprendeu muito na Usi­na e que fazia manuten­ções em todo tipo de veículos – inclusive, foi nesta época que teve suas primeiras experiên­cias com a manutenção de empilhadeiras.

Em 1993, depois de 17 anos de Usina, re­cebeu o convite para atuar como mecânico em uma oficina bem conceituada de Lençóis Paulista – onde perma­neceu como técnico por mais de uma década.

 

“Professor Laércio”

Se as escolas e uni­versidades dão o co­nhecimento teórico, a dedicação e a vida oferecem a experiên­cia prática para o tra­balho. E foi por conta dessa experiência que, no ano de 2001, Laér­cio foi chamado para trabalhar no Centro de Assistência Técnica da JM, em Lençóis Paulista, onde está até hoje.

Com tantos anos de experiência na profissão, o técnico Laércio é um exemplo de humildade ao falar da sua carrei­ra: “Sempre gostei de aprender. Aprendi com os mais velhos e aprendo também com a moçada nova que já vem com um conhecimento maior de tecnologia. Esse é o maior desafio pra gente que é mais antigo na pro­fissão, se manter atualiza­do com as novas tecnolo­gias”, afirma.

Com duas filhas e seis netos, Laércio ainda não tem planos de pendurar as chuteiras e continua firme, como ele mesmo diz, aprendendo e pas­sando o que sabe para quem precisa. Afinal, são 45 anos de bagagem e conhecimento para se­rem compartilhados.